Maringá

TRIBUTAÇÃO

  • Publicado em: 20/02/2014 02:00
  • |
  • Atualizado em: 20/02/2014 02:00
  • Arrecadação de ISS em Maringá cresce 84% entre 2009 em 2013

  • A arrecadação com o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) teve crescimento de 13,32% em Maringá em 2013, no comparativo com 2012.

    No ano passado, o município arrecadou R$ 105.281.775,44, ante R$ 95.905.465,56 do período anterior. Os dados, da Prefeitura de Maringá, mostram ainda que a arrecadação cresce a cada ano – entre 2009 e 2013, a alta foi de 84%.

    Segundo o diretor de Fiscalização da Secretaria Municipal de Gestão, Marco Antônio Lopes de Azevedo, o aumento de arrecadação é o reflexo de três fatores: incrementação no setor de informática para fiscalização; aumento do número de empresas e da demanda por serviços.

    “Naturalmente, há um crescimento do número de empresas em Maringá”, observa. Em 2013, a Secretaria de Gestão tinha cadastradas cerca de 9 mil prestadoras de serviços. Segundo Azevedo, os maiores geradores de impostos na área são, em primeiro lugar, os financeiros – bancos – seguidos dos setores de educação, saúde e construção civil. “Penso que é um conjunto de elementos que levam ao sucesso da arrecadação de ISS”, completa.

    :NoticiasRelacionadas:

    Azevedo cita ainda que os investimentos feitos no sistema de gerenciamento de arrecadação e a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) são recursos que alavancaram os números. “Se por um lado a NF-e facilita a emissão do documento pelo usuário, por outro permite ao poder público saber em tempo real o quanto está sendo arrecadado com as operações de serviços que ocorrem na cidade”, explica.

    Parte dos recursos oriundos do ISS são destinados a duas áreas específicas: 15% para a educação e 25% para a saúde. “O restante é de uso livre, em benfeitorias no município”, completa.

    Segundo o economista do Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá (Codem) João Ricardo Tonin, o setor de serviços tem acompanhado a economia da cidade. “O ISS está atrelado ao maior setor da economia, que é o de comércio. É um indicador de atividade econômica do município”, observa.

    A arrecadação, segundo o economista, aproxima-se também de outros setores. “O setor de serviços tem ampliado a participação na arrecadação em relação à agropecuária e à indústria, que também crescem ano a ano.”

    O vice-presidente para Assuntos Intersindicais da Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim), Orlando Chiqueto Rodrigues, também considera que houve um aumento no total de empresas em Maringá. “Houve crescimento no número de microempreendedores individuais, especialmente porque que se formalizaram”, diz. Além disso, segundo Rodrigues, houve também aumento do número de empresas que ingressaram no mercado.

    “E a classe C também aumentou os investimentos em consumo de serviços”, considera. Na opinião dele, o aumento de arrecadação se deve a uma série de fatores, entre os quais o de Maringá ser uma cidade polo que atrai consumidores de outros municípios – especialmente as cidades da Associação dos Municípios do Setentrião Paranaense (Amusep).